IDGNOW!: Paraná torna ilegal uso de software para redes de compartilhamento

Dono do site iPlay é responsabilizado por oferecer download do programa K-Lite Nitro e decisão torna ilegal acesso a redes P2P no Estado

8 Comentários

16/09/2009
1187 Acessos
Imprimir
IDGNOW!: Paraná torna ilegal uso de software para redes de compartilhamento
http://idgnow.uol.com.br/internet/2009/09/16/parana-torna-ilegal-uso-de-software-para-redes-de-compartilhamento/

Leitores

2009 José:
O caso pode ser comparado com um carro: ele pode ser arma ou simplesmente um mecanismo útil. Quem vai determinar isso é quem o está usando. Proibir o carro seria radicalismo. Os programas P2P têm sua utilidade, pois não são apenas arquivos ilegais que são trocdos, quem determina isso é o usuário. A indústria fonográfica e cinematográfica precisa entender que não é apelando contra o usuário que vai vencer essa guerra. O resultado disso é o aumento da pirataria, na internet mesmo, ou por outras via


2009 Marcelo:
Partindo dessa análise, em breve vão proibir o IE ou Firefox por que você pode acessar site de pedofilia..... sem noção.
As empresas e entidades deveriam gastar tempo e dinheiro para rever o modelo de comercialização de músicas e vídeos, ao invés de atacar “softwares malignos”...rs


2009 Ricardo:
Isso é como matar formiga. Você mata 100, e aparece milhares no lugar. O que não dá certo é que os justos paguem pelos pecadores. E quem quer disponibilizar as suas músicas pela rede, não pode? Não, não pode porque geralmente não são os grandes nomes da música(...)


2009 Paulo:
Se oferecer um software para download é "potencializar" a disseminação de conteúdo ilegal, então talvez deveríamos impedir a Microsoft de distribuir seu Windows, já que está potencializando a disseminação de virus, spywares e todo tipo de pragas, que causam prejuízos enormes ao mundo todo. Afinal, os programadores de virus se utilizam do Windows para desenvolvê-los, logo, a Microsoft está "potencializando" uma atividade ilegal. Também as gravadoras e detentores de direitos autorais estão "potencializando" a pirataria quando pretendem vender músicas a peso de ouro e obter lucros exorbitantes às custas do consumidor. Eles deveriam, então, ser proibidos de distribuir essas músicas ou de obter lucros abusivos.
Esse juiz está claramente fazendo uma interpretação equivocada, pra não dizer muito parcial(...)


2009 Rodrigo:
Completamente "SEM NOÇÃO" mostrando sua TOTAL e COMPLETA ignorância em termos relacionados a Informatica. Ngm controla a Internet e ngm vai para de usar programas de P2P pq um juizinho da vida ai qualquer em Favor de um LOBBY de uma Industria "FALIDA" que são as Gravadoras "Proibiu". São tantas injustiças nesse grande País chamado Brasil que nossos Magistrados deveriam se concentrar em vez de ficar perdendo tempo com uns "milhões" de pessoas que baixam músicas e filmes pela internet...Coitadas das Gravadoras, seus Acionistas estão "DEIXANDO DE COMPRAR ILHAS PARADISIACAS NO PACIFICO POR CAUSA DA PIRATARIA"!!!...o Mundo caminha para uma Nova Era onde o Conhecimento e a CULTURA devem ser de LIVRE ACESSO A TODOS e NÃO a um "SELETO GRUPO QUE PODEM PAGAR UMA FORTUNA POR UM SIMPLES CD,DVD ou QUALQUER OUTRA MIDIA QUE SEJA". Pode até vira moda no Brasil mas continuo usando meu eMule e Torrent. Seu Juiz que VERGONHA,Vá correr atrás dos Politos Safados de Brasilia que Assaltam os Cofres Publico.


2009 Eliu:
É pura burrice do juiz pensar que vai conseguir acabar com a pirataria agindo deste jeito. Proibir as redes P2P ou o uso de softwares deste tipo deve ser algum tipo de crime a cidadania, afinal eu posso encontrar muitos usos para o programa que não seja pirataria.
Se for assim então logo veremos eles proibindo os carros afinal são utilizados pelos bandidos para fugir depois de um roubo, e as motos que permitem roubos e mais roubos?
Proibam os caminhões pois trazem cargas enormes de drogas(...)


2009 Marcos:
O foco dessa discussão não é uma empresa, um website, uma cidade, estado ou país. A situação envolve todas as empresas fonográficas do mundo e simplesmente uma coisinha insignificante que se chama INTERNET. Não adianta políticos, magistrados, e demais ignorantes neste assunto, baixarem leis para controlar algo que é incontrolável. Isso acontece no Brasil, talvez porque estas figuras pensem que "podem tudo" a exemplo do que acontece nos seus redutos e currais eleitoras ou classistas. A Internet espelha a cultura e a educação de praticamente todos os seres humanos. Mudar a Internet e a forma como ela é utilizada, significa mudar antes a cultura e a educação no mundo, e acho que um tribunal de justiça ou qualquer associação disso ou daquilo não vai conseguir. Frente a tantos processos parados por longos anos esperando que nossa justiça se manifeste, é incrível como acham tempo para uma coisa como esta.


2009 Rubens:
Seria este mais um exemplo da falta de conhecimento que permeia a legislação e os magistrados brasileiros? Embasados em leis ou conceitos arcaicos procuram, ao invés de se atualizar e buscar soluções reais, criar precedentes perigosos que cerceiam as liberdades individuais dos cidadãos e arrumar bodes expiatórios para servir de exemplo. Tão absurda quanto a sentença é o exemplo dado juiz. Então se temos duas lojas que vendem refrigerantes, mas em uma delas se vende entorpecentes e na outra não, devemos simplesmente proibir a existência de lojas e não punir somente a que atua na ilegalidade! Deveríamos então punir as padarias e bares por venderem cigarros e causar câncer aos seus clientes, proibir os automóveis já que há o risco de motoristas embriagados atropelarem as pessoas, talvez até fechar todas as empresas do país já que, dentre elas, algumas estão agindo na ilegalidade. Mais um exemplo sensacional da perfeita e irretocável máquina legal brasileira.
Tags: Idgnow!