Radar Econômico: Compartilhar música não afeta renda de artistas, indica estudo

"Eu copio, tu baixas e nós compartilhamos: o futuro da nova cadeia produtiva da música (...)"

6 Comentários

11/04/2011
2239 Acessos
Imprimir
Radar Econômico: Compartilhar música não afeta renda de artistas, indica estudo
http://blogs.estadao.com.br/radar-economico/2011/04/11/compartilhar-musica-nao-afeta-renda-dos-autores-indica-estudo/

Leitores

11/04/2011 Gustavo:
É evidente que o compartilhamento de música pela internet não prejudica os ganhos dos artistas. Quem lucra com a venda de discos são as gravadoras. Os artistas – salvo raras exceções – ganham centavos por disco vendido.

A meu ver, ocorre que muitos artistas são intimidados por suas gravadoras, que os mandam se manifestar contrariamente ao compartilhamento da música via internet. Com medo de perder o contrato, muitos aderem a essa conversa mole.




11/04/2011 Heike Duske:
Eu ainda espero pelo dia em que ligarei o rádio e ouvirei músicas diversas ao invés daquelas que pagam para tocar nas rádios e são repetidas à exaustão.
Temos tantos artistas desconhecidos que produzem música boa mas não tocam no rádio…
Quer um bom exemplo de sucesso ?
Fernando Anitelli idealizador da trupe “O Teatro Mágico” que mostrou aos seus fãs o que significa “compartilhar” e criou uma música com eles via Twitter !
Ele sempre disponibilizou as suas músicas e defende a MPB (Música para Baixar).
Outros músicos que não tocam nas rádios: Kleber Albuquerque e Rubi entre tantos !
É isso.


11/04/2011 Walter:
O que reduziu a renda das gravadoras foi o fim da venda casada. Quantos albuns foram vendidos porque os consumidores queriam apenas 1 ou 2 “hits”?? Daí que vender legalmente as músicas isoladamente na internet também não satisfaz às gravadoras.

Outro fator bem observado é que os “hits” perderam valor relativo com o aumento da oferta de música proporcionado pela internet. É a concorrência dos artistas independentes que abriu um monopólio, daí a rentabilidade da “indústria” ter caído.




12/04/2011 Juliana:
Assim como a música tocar no rádio não diminui as vendas de discos, mas ajuda a divulgar os músicos, o download também não prejudica, na minha opinião. (...) Tanto não prejudica os artistas que muitos deles divulgam suas músicas em sites pessoais, myspace, twitter e outras redes onde a gravadora não pode meter o bedelho.


12/04/2011 Serjão:
Nao tenho tempo para ir a loja comprar um CD !!! Qual a solucao ? Vender pela internet.
Tem só uma música em um CD com vinte títulos . Nao quero pagar 20 músicas quando gosto só de uma.
O pessoal das gravadoras está fazendo um merchandizing burro e suicida.
Nao me importo em pagar , mas pelo menos quero escolher.
Quero uma música dos Beach Boys de 1970 . Nao tenho saco para ir a uma loja garimpar CDs velhos. Porque nao existe um catálogo de músicas antigas na internet para pagar e levar ?
Perdi em uma mudanca um CD comprado nos EUA , onde tinha “Rainny Night in Georgia” com Bruck Bentton. Onde posso conseguir esta música de novo , legalmente ?
Atencao empreendedores , há um enorme mercado aberto pela ganancia dos CEOs das gravadoras atuais. Quem explorar as dúvidas acima ( nao sou só eu que tem estas necessidades de compra ), vai ganhar MUITO dinheiro.


12/04/2011 Alberto Vermelho:
Com a internet os verdadeiros usurpadores dos direitos autorais que são as gravadoras estão caindo fora da jogada. Agora que o artista começa realmente a ganhar seu dinheiro diretamente em negócios que ele mesmo ou alguem perto dele agencia e não um mais grande agiota da produção alheia. A música finalmente é ouvida pelo público para o qual ela foi composta. Chega direto aos ouvintes sem intermadiários. As pessoas ouvindo mais , vão aos shows e compram cd a preços mais baratos ( Mona Brow vende seu cd a R$ 5,oo no show)e quem fica com o dinheiro é o Musico. E´ uma verdadeira revolução no meios de produção e consumo da arte. EVOÉ